Quem é a economista que ganhou prêmio Nobel de economia com pesquisa sobre disparidade de gênero

O Gestor

Claudia Goldin. Foto: Ill. Niklas Elmehed © Nobel Prize Outreach

A norte-americana Claudia Goldin foi laureada com o prêmio Nobel de Economia de 2023 por seus estudos sobre as disparidades de gênero no mercado de trabalho. De acordo com a Academia Real das Ciências da Suécia, ela foi responsável pelas primeiras pesquisas abrangentes sobre a diferença de salários entre homens e mulheres, e sobre a evolução da participação feminina no mercado de trabalho ao longo dos últimos séculos.

“Ao longo do último século, a proporção de mulheres com trabalho remunerado triplicou em muitos países de alta renda. Esta é uma das maiores mudanças sociais e econômicas no mercado de trabalho dos tempos modernos, mas permanecem diferenças significativas entre homens e mulheres”, afirmou a Academia, em comunicado. “A investigação de Claudia Goldin proporcionou conhecimentos novos e surpreendentes sobre os papéis históricos e contemporâneos das mulheres no mercado de trabalho”, conclui.

Ative o JavaScript no seu navegador para preencher este formulário.

Goldin reuniu arquivos e dados de mais de 200 anos, referentes Estados Unidos. Sua pesquisa mostrou que a participação feminina no mercado de trabalho não teve uma tendência ascendente contínua ao longo de todo esse período, mas sim uma curva em forma de U. A participação das mulheres casadas diminuiu com a transição de uma sociedade agrária para uma sociedade industrial no início do século XIX, mas voltou a aumentar com o crescimento do setor de serviços no início do século XX. Segundo Claudia Goldin, essa transformação é resultado de mudanças estruturais e da evolução das normas sociais relativas às responsabilidades das mulheres em relação ao lar e à família.

Professora da Universidade de Harvard, Goldin aponta que os níveis de educação das mulheres aumentaram continuamente no século XX – na maioria dos países desenvolvidos, a escolaridade das mulheres supera a dos homens. Apesar disso, a diferença salarial não foi extinta. Nos países desenvolvidos, a disparidade de rendimentos gira em torno de 10% a 20%.

Segundo a laureada, isso pode ser explicado, em parte, pela maternidade. Em um artigo de 2010, Claudia Goldin e seus colegas demonstraram que no começo de suas carreiras, os salários de homens e mulheres são similares. No entanto, após o nascimento do primeiro filho, a tendência muda e elas passam a ganhar menos. Por isso, segundo ela, o acesso à pílula anticoncepcional desempenhou um papel importante redução do gap salarial, pois oferece novas oportunidades para o planeamento familiar e de carreira para as mulheres.

Além disso, historicamente, grande parte da disparidade salarial entre homens e mulheres poderia ser explicada pelas escolhas profissionais – homens tendiam a ocupar cargos e carreiras com os salários mais elevados. Contudo, Goldin demonstrou que a maior parte desta diferença de rendimentos ocorre agora entre homens e mulheres que exercem a mesma profissão.

Goldin, que em 1990 se tornou a primeira mulher titular do Departamento de Economia de Harvard, é apenas a terceira a ganhar o Nobel de Economia. Antes dela, Elinor Ostrom, em 2009, e Esther Duflo, em 2019, foram premiadas. “Compreender o papel da mulher no trabalho é importante para a sociedade. Graças à investigação inovadora de Claudia Goldin, sabemos agora muito mais sobre os fatores subjacentes e quais as barreiras que poderão ter de ser abordadas no futuro”, afirmou Jakob Svensson, presidente do comitê do prêmio em Ciências Econômicas.

Quer saber sobre novos jeitos de investir? Confira esse curso sobre ESG no Hub de Educação da B3.

Link da matéria

O que você achou?

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

0 0 votes
Article Rating
Se inscreva
Notificação de
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
0
Iremos adorar sua opinião, comente.x