Presidente da Petrobras diz que estatal será “offshore dos ventos”

O Gestor

Presidente da Petrobras diz que estatal será “offshore dos ventos”

O presidente da Petrobras, Jean Paul Prates, disse, nesta quarta-feira (11), que a companhia tem potencial para ser referência na geração de energia eólica a partir de usinas no oceano. “Companhia offshore [exploração no mar] continuaremos a ser, só que agora dos ventos”, afirmou, se referindo à capacidade já conhecida da empresa de explorar petróleo em alto mar.Presidente da Petrobras diz que estatal sera offshore dos ventosPresidente da Petrobras diz que estatal sera offshore dos ventos

A declaração foi feita durante o seminário Caminhos para Transição Energética Justa no Brasil, organizado pela Petrobras e pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), no Rio de Janeiro.

Ative o JavaScript no seu navegador para preencher este formulário.

“Quem faz isso [exploração em águas profundas] pode entrar tranquilamente no offshore eólico. São grandes estruturas de aerogeradores e estruturas de escoamento de energia em que são aproveitadas, inclusive, plataformas de petróleo que já deixaram ser utilizadas para o primeiro fim.”

De acordo com Prates, a Petrobras tem o maior potencial para geração eólica no mar no Brasil. “Já somos hoje o maior desenvolvedor de projetos eólicos offshore do Brasil. Nós saltamos à frente de todos os outros desenvolvedores ao anunciar dez áreas, além das sete que temos em parceria com a [empresa norueguesa] Equinor”. 

Ele ressaltou que uma vantagem que o país e a Petrobras têm é a característica do litoral brasileiro, menos inóspito e com menos intempéries que mares do Hemisfério Norte.

Margem Equatorial 

Jean Paul Prates voltou a defender a perfuração de poços de petróleo na Margem Equatorial – área marítima que se estende por mais de 2,2 quilômetros a partir da costa, desde o Amapá até o Rio Grande do Norte – considerada promissora como o pré-sal.

O Ibama concedeu licença para exploração na Bacia Potiguar, que abarca o litoral do Rio Grande do Norte e do Ceará. Mas a petrolífera busca autorização para perfurar poços até o Amapá, incluindo a Bacia da Foz do Amazonas.

“Quero deixar bem claro que não há absolutamente nenhum conflito intergovernamental sobre esse assunto”, disse ao se referir à ministra do Meio Ambiente e Mudança do Clima, Marina Silva, e ao presidente do Ibama, Rodrigo Agostinho. “Respeitamos o momento e a necessidade de fazerem alterações e novas exigências ao processo de licenciamento.”

Prates afirmou que um período de mais seis meses ou menos seis meses no processo de licenciamento faz pouca diferença. Ele disse acreditar que a Avaliação Pré-Operacional (APO) que resultou na aprovação da licença para a Bacia Potiguar pode facilitar a liberação, por parte do Ibama, da exploração nas demais bacias da Margem Equatorial. A APO é a simulação de um procedimento de emergência contra desastre ambiental, que contou com embarcações, drones, helicópteros e equipes de contingência. 

“A licença foi dada. Vamos fazer a operação com muito sucesso. A expectativa é de ainda no primeiro semestre do ano que vem ou, no mais tardar, ao longo de 2024, ir rumo ao Amapá para perfurar a margem Equatorial.”

A Petrobras pretende furar 16 poços em toda a margem. “A Petrobras é o melhor e mais habilitado operador de petróleo no mundo para fazer essa operação e, se isso não acontecer agora, não acontecerá mais. Se não acontecer com a Petrobras, ninguém mais fará”, ressaltou. 

Parceiro

O presidente do BNDES, Aloizio Mercadante, também defendeu a exploração de petróleo na Margem Equatorial. “Precisamos descobrir novas reservas, com todo o respeito ao Ibama, que seja rigoroso, seja prudente.”

Além disso, Mercadante disse que o banco público vai ser parceiro da Petrobras na Margem Equatorial, citando um relacionamento que resultou em uma carteira de R$ 78 bilhões de financiamento à companhia nos últimos quase 20 anos. Ele afirmou que o banco vai procurar fornecedores da estatal.

“Se eles têm contratos, se eles têm recebíveis, podermos acelerar o financiamento e ajudar.” 

Além de considerar que o combustível fóssil ainda vai ser importante no mundo por décadas, Mercadante considera que mais investimento em petróleo pode ser fonte de recursos financeiros para se chegar à transição energética.

“Não temos ainda um combustível que substitua o combustível fóssil. O petróleo ainda é uma dimensão fundamental da matriz de transporte, da matriz energética”, disse.

“Se nós tivermos inteligência estratégica, esta renda do petróleo pode ser o grande diferencial para o Brasil acelerar sua transição energética, o processo de descarbonização e ser primeiro país do G20 [grupo das 19 maiores economias do mundo mais a União Europeia] com a grande missão histórica a entregar carbono zero”. 

Suzana Kahn, diretora-geral da Coordenação dos Programas de Pós-graduação em Engenharia (Coppe) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), reconheceu que o petróleo terá relevância até 2100. Ela ressalta que o desenvolvimento tecnológico surgido com a indústria do petróleo é aproveitado pelo esforço de transição energética.

“Não há um desperdício de conhecimento, muito pelo contrário. Estamos pavimentando o nosso conhecimento para as novas economias, seja a eólica offshore, seja a energia térmica dos oceanos, uma fronteira que para o Brasil será muito importante”.  

A diretora, que fez parte do Painel Intergovernamental para Mudanças Climáticas (IPCC, na sigla em inglês), grupo que dividiu o Prêmio Nobel da Paz em 2007, ressaltou ainda a importância da renda obtida com o petróleo para o estabelecimento de um mundo com mais energia sustentável.

Segundo a diretora, um país com base científica sólida se torna muito mais fortalecido, menos vulnerável a qualquer advento, quer seja climático ou não, econômico ou não. 

“Em particular, a renda do petróleo, sobretudo a cláusula de P&D [da Lei do Petróleo, determina que empresas invistam parte dos ganhos em pesquisa e desenvolvimento], que nós temos para investir exatamente em inovação, é extremamente importante para que a gente se torne um país que possa, de fato, ser mais resiliente.” 

Com informações da Agência Brasil

O que você achou?

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

0 0 votes
Article Rating
Se inscreva
Notificação de
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
0
Iremos adorar sua opinião, comente.x