Mercado financeiro hoje: balanços nos EUA e Haddad no exterior são o foco

O Gestor

Notas de dólares amarradas com elástico

Balanços de Citigroup, JPMorgan, Blackrock, Wells Fargo e UnitedHealth são esperados antes da abertura das bolsas em Nova York. A Universidade de Michigan publica dados sobre o sentimento do consumidor e de expectativas de inflação americana.

Com a agenda interna mais fraca, após o feriado local, as atenções se voltam para o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, que terá reuniões bilaterais com Reino Unido, Portugal e Indonésia em seu segundo dia em Marrakesh, no Marrocos, onde o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, tem compromissos no âmbito do G20 e do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Ative o JavaScript no seu navegador para preencher este formulário.

Já em Nova York, o ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira, vai comandar a reunião do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU), para tratar da guerra entre Israel e Hamas.

+ Fed estima nova alta nos juros dos EUA para levar inflação à meta

Petróleo, CPI americano e Europa

Os contratos futuros do petróleo sobem mais de 2% nesta manhã, após fechamento misto ontem, em meio a preocupações de que o conflito entre Israel e Gaza se alastre para outras partes do Oriente Médio. “O risco para os mercados petrolíferos é o de o conflito se ampliar”, afirma o banco ANZ, em nota.

Em Nova York, os rendimentos dos Treasuries (títulos do Tesouro) e o dólar ante moedas principais recuam, depois de avançarem ontem com os dados de inflação ao consumidor (CPI) dos EUA mais fortes do que o esperado. O CPI avançou 0,4% no mês passado ante o anterior. Na comparação anual, o índice também subiu além do esperado, avançando 3,7% ante expectativa de 3,6%.

Os mercados de ações europeus também caem, apesar dos dados de produção industrial na zona do euro melhor que o esperado, de olho em sinais de juros do BCE, no conflito no Oriente Médio e na inflação e balança comercial da China.

+ Petróleo mais caro por causa da guerra entre Israel e Hamas pode reduzir PIB mundial

Mercado local

Os mercados locais devem passar por correção, após alta dos juros dos Treasuries e dólar durante o feriado local de ontem, além da queda das bolsas em Nova York em reação ao CPI americano e ao risco de um novo aumento de juros até o fim do ano.

As preocupações com os efeitos inflacionários e na política monetária global da escalada do conflito Israel e Hamas podem justificar demanda defensiva no dólar, bem como os dados chineses de inflação fracos alimentam temores sobre o desempenho da segunda maior economia do mundo.

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, afirmou que irá conversar com o presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, sobre a sua fala em relação ao ritmo de corte da Selic, durante encontro com investidores em Marrakesh, no Marrocos, na quarta-feira, após os juros curtos subirem mais que os longos no mercado de renda fixa.

*Agência Estado

Quer entender o que é macroeconomia e como ela afeta seu bolso? Acesse o curso gratuito Introdução à Macroeconomia, no Hub de Educação da B3.

Link da matéria

O que você achou?

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

0 0 votes
Article Rating
Se inscreva
Notificação de
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
0
Iremos adorar sua opinião, comente.x