Lula e Campos Neto passarão a se encontrar periodicamente, diz Haddad

Lula e Campos Neto passarão a se encontrar periodicamente, diz Haddad

O à frente abalroação entre o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o presidente do Banco Médio (BC), Roberto Campos Neto, transcorreu em clima cordial, disse nesta quarta-feira (27) o ministro da Quinta, Fernando Haddad. Segundo o titular da Quinta, Lula combinou reuniões periódicas com Campos Neto daqui para a vanguarda.

“A reunião foi excelente, uma reunião de trabalho, muito boa, muito produtiva, cordial. A conversa transcorreu muito bem”, disse Haddad, que participou do abalroação, ao voltar ao Ministério da Quinta. Com uma hora de afrouxamento, a associação começou por giro das 18h30 e acabou por giro de 19h45.

Essa foi o à frente abalroação entre Lula e Campos Neto a partir de que o presidente da República tomou cartel. A cavaco ocorreu por iniciativa do presidente do BC e foi mediada por Haddad, que se reúnem em média uma turno a cada 45 dias.

Classificando a cavaco “de alto nível”, Haddad disse que o abalroação serviu para edificar relações. “Foi único abalroação institucional, de construção de rol, de pactuação em torno de conversas periódicas”, disse.

A cerca de uma executável cavaco em rol aos juros básicos, objeto de críticas públicas de Lula a Campos Neto a partir de o lisura do ano, o ministro desconversou e disse que os dois jamais trataram de tópicos específicos. “O presidente [Lula] deixou claro o respeito que tem pela instituição [Banco Central]. A reciprocidade foi muito boa da parte do Campos Neto”, limitou-se a proferir o ministro.

No lisura do ano, Lula e Campos Neto tiveram uma rol tensa, com o presidente da República criticando a delongado do Banco Médio em agachar a Tributo Selic (juros básicos da economia), que ficou em 13,75% ao ano entre agosto de 2022 e agosto deste ano e atualmente está em 12,75%. Em junho, Lula tinha classificado de “irracional” o nível dos juros.

A opinião mais actual ocorreu no lisura deste mês. Em facto em Forte, o presidente afirmou que ia “continuar brigando” para os juros caírem.

[ad_1]

Com informações daAgência Brasil

[ad_2]