Guerra no Oriente Médio: como o conflito afetou o mercado, mais de um mês depois de seu início

O Gestor

Petróleo. Foto: Pixabay

Já se passou mais de um mês desde o início da guerra entre Israel e Hamas, no Oriente Médio. Sem sinais de arrefecer e sem solução em vista, os bombardeamentos e operações militares seguem firme no noticiário internacional. Porém, apesar de alguma preocupação e volatilidade nos primeiros dias, os comentários sobre o embate têm rareado nas conversas sobre economia e mercado.

Ibovespa alcança maior patamar intradiário desde agosto de 2021

Ative o JavaScript no seu navegador para preencher este formulário.

Quando o mercado sente incerteza (como em um conflito geopolítico de proporções relevantes), a porta de saída são os ativos de segurança, como petróleo, dólar e ouro. Tanto que nos primeiros dias após o ataque do Hamas a Israel, surgiram diversas especulações sobre uma alta significativa nos preços desses ativos. Não foi o que aconteceu.

O barril de petróleo Brent, referência global para o preço da commodity, é hoje vendido a cerca de US$ 80, mais barato do que quando os combates começaram. O dólar se enfraqueceu. Só o ouro registrou valorização no período, mas o preço do metal precioso já tem desacelerado. Segundo o banco suíço Julius Baer, isso acontece “à medida que a percepção da guerra entre Israel e o Hamas nos mercados financeiros mudou, de uma escalada iminente com impacto no Oriente Médio para um conflito mais contido”.

Inflação nos EUA fica estável em outubro e tira pressão sobre juros

O que explica a pouca reação do mercado financeiro aos conflitos?

Impacto leve no mercado global de petróleo

“No início da eclosão da guerra, vimos muita volatilidade. Depois, ao longo das semanas, vimos isso arrefecer um pouco”, afirma Gabriela Joubert, estrategista-chefe do Inter. Segundo ela, os temores se dissipara porque apesar de o conflito estar localizado no Oriente Médio, produtor de cerca de 30% da oferta global de petróleo, não há sinais de que outros países irão se envolver ativamente na guerra.

Com o conflito concentrado em Gaza e Israel, que pouco produzem a commodity, e sem sinais de que irá se expandir além das fronteiras, o mercado se acalmou. Isso explica a redução da busca por petróleo ou por portos seguros no mercado, como dólar ou ouro.

Assim, os investidores voltam a se atentar aos dados de demanda pela commodity. E desse lado, o clima é de pessimismo, por conta de preocupações econômicas com a China, o maior importador, e com outros grandes consumidores. Além disso, mesmo nos Estados Unidos a expectativa é de redução na demanda por combustíveis. Segundo cálculo da Administração de Informações de Energia do país, o consumo de gasolina deve diminuir em 2024 como resultado da eficiência dos motores dos veículos e do número crescente de carros elétricos.

“Quando vimos a eclosão da guerra, o principal receio era o quanto o conflito poderia escalar. Mas conforme as semanas foram passando, vimos os Estados Unidos se posicionando, mas de maneira mais branda. Do outro lado, a Arábia Saudita tem feito um movimento de se abrir para o mundo nos últimos anos, e também tem evitado se posicionar em conflitos que possam prejudicar essa nova imagem que quer passar para o mundo”, afirma Gabriela Joubert.

Celso Grisi, professor da FIA Business School, lembra que uma das maiores preocupações do mercado sobre o conflito era um envolvimento direto do Irã. “O país é um grande produtor de petróleo, e se isso acontecer, podemos ver o preço da commodity subir muito mais”, diz. “Isso exacerba os riscos para os investidores, e traz volatilidade”.

Qual o efeito para a economia brasileira?

O mercado financeiro brasileiro acompanha de perto o que acontece nas grandes economias e nas grandes bolsas do mundo. Os principais canais de transmissão dos reflexos da guerra no mercado são o dólar e o petróleo. “Os dois podem impactar claramente o Brasil, colocando pressão para a inflação”, diz Grisi.

“Outra questão é que todo o movimento compromete a desinflação mundial que estamos vendo, e traz mais preocupações com os níveis de juros nos mercados desenvolvidos”, afirma o professor.

Ainda na pauta: os juros nos EUA

Há mais de um ano, um dos principais fatores a ditar a direção dos mercados é a expectativa quando à curva de juros nos Estados Unidos e aos próximos movimentos do Fed, o banco central americano. A discussão passou de “será que o Fed vai subir os juros”, para “até onde vai a alta”, para “quando começa o ciclo de redução”.

Assim, cada novo dado sobre a inflação norte-americana ou sobre o mercado de trabalho, ou qualquer discurso dos dirigentes do Fed praticamente centraliza as atenções dos investidores.

“Os Estados Unidos estão monitorando as duas guerras, mas sem espaço para gastar. O que deixa o mercado mais ansioso e mais preocupado é a política monetária. Claro que a guerra continua no radar, pela própria questão humanitária, mas de fato, o que estamos vendo é a bolsa subindo e os juros arrefecendo”, diz Gabriela Joubert, do Inter.

Um pouco de história

Carlos Braga, professor associado da Fundação Dom Cabral (FDC) e ex-diretor de política econômica e dívida do Banco Mundial, ressalta uma estatística interessante sobre o impacto dos conflitos geopolíticos nos mercados. Segundo ele, em todos os choques do passado, o mercado sentiu um impacto negativo no primeiro mês, representado pela queda do índice S&P 500, que reúne as 500 maiores empresas listadas dos EUA.

Tipicamente, 12 meses mais tarde, o impacto se dissipou. “Isso só não ocorre se o preço de energia for significativamente afetado”, diz, como foi o caso da guerra de Yom Kippur, em 1973. A redução na oferta de petróleo foi tão importante que o preço do barril chegou a triplicar, causando o primeiro choque do petróleo e uma recessão global.

A situação atual no Oriente Médio, diz o professor, preocupa caso haja uma distorção relevante que resulte em um movimento de mercado importante. No entanto, Braga aponta que “o mundo é muito diferente hoje, e a capacidade da Opep, e mesmo da Opep+, influenciar o preço mundial é menor”, diz.

Quer entender o que é macroeconomia e como ela afeta seu bolso? Acesse o curso gratuito Introdução à Macroeconomia, no Hub de Educação da B3.

Link da matéria

O que você achou?

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

0 0 votes
Article Rating
Se inscreva
Notificação de
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
0
Iremos adorar sua opinião, comente.x