Fazenda aumenta previsão oficial de crescimento do PIB para 3,2%

Fazenda aumenta previsão oficial de crescimento do PIB para 3,2%

A Repartição de Política Econômica (SPE) do Ministério da Fazenda elevou de 2,5% para 3,2% a projeção de crescimento do Resultado Interior Atroz (PIB, adição dos bens e trabalhos produzidos). A estimativa para a inflação diminuiu. As previsões estão no Boletim Macrofiscal espargido nesta segunda-feira (18).

Segundo o Ministério da Fazenda, a revisão no crescimento foi motivada lã crescimento de 0,9% do Resultado Interior Atroz (PIB, adição dos bens e trabalhos produzidos no pátria) no segundo trimestre, lã extensão da colheita, pela expectativa de resultados positivos no terceiro trimestre e pela casual recobro da economia chinesa no aposento trimestre.

As projeções de crescimento para oriente ano melhoraram para todos os setores. Para o setor agropecuário, a projeção passou de 13,2% para 14%. Para a indústria, a estimativa avançou de 0,8% para 1,5%, enquanto a projeção para os trabalhos passou de 1,7% para 2,5%. A estimativa de crescimento para 2024 foi mantida em 2,3%.

Segundo o secretário de Política Econômica, Guilherme Mello, as previsões do mercado financeiro têm legalizado as estimativas do Ministério da Fazenda. “O conjunto de projeções do mercado tem tido um resultado bastante benigno na nossa leitura em relação à dinâmica da economia brasileira e tem tido também um comportamento que tem confirmado de alguma forma as projeções que nós fazemos aqui na SPE”, afirmou.

Inflação

A projeção de inflação lã Index Vernáculo de Preços ao Consumidor Grande (IPCA) foi mantida A estimativa está supra da alvo de inflação para o ano, definida lã Juízo Monetário Vernáculo (CMN) em 3,25%, com distância de transigência de 1,5 matéria percentual para sobranceiro ou para plebeu. Ou seja, o marco aquém é 1,75% e o alto é 4,75%. Para 2024, a estimativa avançou de 3,3% para 3,4%.

Segundo a SPE, o impacto dos reajustes nos preços de combustíveis tem sido compensado pela profundeza nos preços de alimento e de trabalhos associados à alimento em vivenda. A projeção para 2024 foi elevada por início de ajustes nas estimativas para o dólar e o relevância das commodities (bens primários com cotação internacional).

O Index Vernáculo de Preços ao Consumidor (INPC), utilizado para ordenar o preço do ordenado mínimo e emendar aposentadorias, deverá fechar oriente ano com variedade de 4,36%, segundo a previsão da SPE, contra 4,48% previstos no boletim anterior, espargido em maio. A projeção para o Index Comum de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI), que inclui o setor atacadista, o dispêndio da construção social e o consumidor final, caiu de deflação de 2,06% para deflação de 3%.

Meão prazo

Apesar da desaceleração econômica prevista para 2024, a SPE ressalta que as estimativas para o confinante ano estão melhorando. Mesmo com o desemprego em baixa, os núcleos de inflação (medidas que excluem variações extremas, uma vez que vitualhas e preços administrados) continua a desacelerar. “Em linha com essa interpretação, a expectativa de mercado para o crescimento em 2024 tem se elevado, a despeito do aumento do crescimento projetado para 2023”, ressalta o documento.

Precípuo abonador lã crescimento econômico em 2023, o setor agropecuário deverá desacelerar no confinante ano, por início da eco da supersafra deste ano, que reduz os preços das commodities agrícolas, e da previsão de anomalias climáticas, que reduzirão o crescimento da dimensão plantada.

Para outros setores, a perspectiva é mais otimista para 2024. Segundo a SPE, a indústria e os trabalhos devem se beneficiar com a profundeza dos juros, com as políticas de arrimo à renegociação de dívidas, com os programas de delegação de pensão e os incentivos ao investimento, uma vez que o Hodierno Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), estímulos para inovação e digitalização, provisão de garantias do Erário Vernáculo para parcerias público-privadas.

[ad_1]

Com informações daAgência Brasil

[ad_2]