Mercado; Moedas e calculadora no celular. Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Estimativa de inflação passa a ficar no teto da meta de 2023, aponta Focus

Os economistas do mercado financeiro reduziram as estimativas de inflação para 2023, de 4,86% para 4,75%, segundo divulgado nesta segunda-feira, 16/10, pelo boletim Focus, do Banco Central.

Esse movimento colocou o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) no teto da meta de inflação definida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), que é de 4,75%.

A meta deste ano é de 3,25% e será cumprida se oscilar entre 1,75% e 4,75%. A última vez que a expectativa de inflação do mercado ficou dentro das metas fixadas pelo CMN foi em 15 de junho de 2022.

Essa desaceleração na projeção de inflação acontece, após o IPCA avançar 0,26% em setembro, puxado pela gasolina. Apesar da alta, o índice ficou abaixo da expectativa do mercado, que era de 0,33%.

Para o economista André Perfeito, o IPCA melhor do que o esperado no mês passado – além da perda de ritmo dos núcleos e no espalhamento da inflação na economia – explica essa expectativa de preços mais baixos no curto prazo.

“Há muito o que se ponderar neste momento quando se trata do comportamento de variáveis financeiras, mas talvez a grande dúvida na mesa seja, mais uma vez, sobre o comportamento dos juros longos nos EUA”, conclui.

Para 2024, a estimativa de inflação ficou estável em 3,88% e para 2025, permaneceu em 3,50%. Nos dois casos, o IPCA segue acima da meta de inflação perseguida pelo BC, que é de 3%.

O Focus é publicado às segundas-feiras. Foram ouvidas pelo Banco Central mais de 100 instituições financeiras até o fim da semana passada. O relatório é essencial para o investidor corrigir ou confirmar estratégias.

Selic deve fechar o ano em 11,75%

Os economistas do mercado financeiro seguem com as mesmas estimativas para a taxa básica de juros até 2025. Para 2023, o mercado projeta uma Selic em 11,75% ao ano. Hoje, a taxa básica está em 12,75%.

Para 2024, a estimativa para a taxa básica de juros seguiu em 9% ao ano, enquanto em 2025 permanece estável em 8,5%.

PIB de 2023 fica estável em 2,92% A expectativa para o Produto Interno Bruto (PIB) deste ano segue em 2,92%. No 2º trimestre, a economia brasileira cresceu 0,9%, bem acima da estimativa do mercado, segundo o IBGE.

Para 2024, a previsão de crescimento da economia do país pelo mercado financeiro ficou em 1,50%. Para 2025, manteve-se em 1,90%.

O PIB é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país. O indicador serve para medir a evolução da economia.

Dólar deve fechar o ano em R$ 5

A estimativa para o dólar no fim de 2023 ficou inalterada na semana passada, em R$ 5. Para o fim de 2024, a projeção para a moeda americana subiu de R$ 5,02 para R$ 5,05. Para 2025, permaneceu em R$ 5,10.

Quer entender o que é macroeconomia e como ela afeta seu bolso? Acesse o curso gratuito Introdução à Macroeconomia, no Hub de Educação da B3.

Link da matéria